sexta-feira, janeiro 24, 2014

Divirta-se

Divirta-se
Original: Enjoy Yourself

Divirta-se enquanto você ainda está na cor rosa
Divirta-se, divirta-se
É mais tarde do que você pensa

Você trabalha e trabalha por anos e anos
Você está sempre em movimento
Nunca tira um minuto pra relaxar
Ocupado demais fazendo grana
Algum dia, você diz, você terá a sua diversão
Quando você for um milionário
Imagine toda a diversão que você vai ter
Em sua antiga cadeira de balanço

Divirta-se, é mais tarde do que você pensa
Divirta-se enquanto você ainda está na cor rosa
Os anos passam tão rápido quanto um piscar de olhos
Divirta-se, divirta-se
É mais tarde do que você pensa.
(Divirta-se, divirta-se é mais tarde do que você pensa)

O coração do seu coração, seu sonho dos sonhos
Sua morena arrebatadora
Deixou-o agora e ela se tornou
O bicho de estimação de alguém (uma pena, não é?!)
Abaixe essa arma, não tente, meu amigo
Chegar ao grande além
Você vai se divertir mais correndo atrás
De uma ruiva ou uma loira

Divirta-se é mais tarde do que você pensa
Divirta-se enquanto você ainda está na cor rosa
Os anos passam tão rápido quanto um piscar de olhos
Divirta-se, divirta-se
É mais tarde do que você pensa.
(Divirta-se, divirta-se é mais tarde do que você pensa)

Há outra coisa que eu quero dizer a vocês também

Você ama muito alguém
Você gostaria de definir a data
Mas o dinheiro não cresce em árvores
Então você decide esperar (besteira, amigo)
Você está com tanto medo de que você vai morder
Mais do que você pode mastigar
Não tenha medo, você não terá dentes
Quando você chegar aos 92

Divirta-se é mais tarde do que você pensa
Divirta-se enquanto você ainda está na cor rosa
Os anos passam tão rápido quanto um piscar de olhos
Aproveite, desfrute, divirta-se
É mais tarde do que você pensa.
Aproveite, desfrute, divirta-se é mais tarde do que você pensa

Divirta-se. Não seja um idiota!


Enjoy Yourself (It's Later Tha by Louis Prima on Grooveshark

sexta-feira, janeiro 10, 2014

Algo errado...

Sabe aquela sensação estranha de que tem algo errado. Você sabe o que é, sabe o que está te machucando, mas não consegue expressar em palavras. Pensar no problema te deixa triste, porque há poucas soluções e todas as alternativas parecem ir para o mesmo lugar.
Você quer conversar, quer tentar, mas não sabe nem por onde começar. Não quer magoar as pessoas, tampouco se indispor com alguém. Quer que tomem a iniciativa, mas não de vir conversar ou consolar, mas de consertar as coisas. 
Temos que pensar um pouco, ver as coisas de outra forma e tentar entender o outro. Acho que falta isso em todos e em mim também... 
Eu sei o que tem de errado, não estou contente com isso, quero consertar, mas não será que posso? Será que consigo? Queria poder fazer mais por mim e pelo mundo. Queria ter a oportunidade de alterar as coisas, de mudar o ritmo, de alterar o tempo...
As coisas serão diferentes... faço essa promessa, mas será que posso cumpri-la?


quinta-feira, janeiro 09, 2014

Trajetos da vida e as calçadas de Blumenau

Muitas vezes eu vou de bota para o trabalho, ou até mesmo de coturno, isso até poderia ser normal... no inverno, mas muitas vezes faço isso no verão (na maior parte dos dias).
No final do ano uma colega me perguntou como eu aguentava ficar com bota com aquele calor. Bem, não é que seja minha preferência incondicional, mas por questão de segurança no trajeto casa-trabalho, acabo por colocar sapatos fechados. Pensando nisso, resolvi fotografar o trajeto que faço de casa ao ponto de ônibus para mostrar como faço meu exercício de baliza, alongamento e rally diário.

Primeiramente quero salientar que essas fotos foram tiradas em dezembro, quando a FOZ DO BRASIL havia invadido a nossa rua para, em tese, instalar um sistema de esgotos.

Então... logo que saio da minha casa, tenho que fazer balizar, desviar de cones, galhos, coco de cachorro... essas coisas:


Depois tenho que esperar humildemente o caminhão sair de cima da calçada para que eu possa seguir meu caminho...


Atravesso as crateras lunares deixadas pela FOZ...


Essa é interessante. O vizinho recentemente reformou a frente da casa, construiu muro e até um canteirinho, mas esqueceu da calçada... Adoro quando chove... Só que não...


Continuando... ainda na mesma quadra: outro vizinho que reformou a casa recentemente e ao invés de fazer uma calçada, colocou britas! Bem... se eu tinha esperança de um dia ir de salto para o trabalho... o salto não sobreviveria a isso:


Falando em salto... essa parte é impossível de passar com ele. A rua é tão inclinada que se eu quisesse ir de salto ou eu ando de lado ou vou para o meio da rua...


Aqui está outra parte interessante do trajeto. De tempos em tempos ficávamos sem luz, muitas vezes isso acontecia pois alguém atropelava o poste que ficava estrategicamente na curva. Bem, acharam uma solução para isso: colocar os postes do outro lado da rua! Genial! Entretanto eles não apenas colocaram no outro lado da rua, como colocaram bem NO MEIO da calçada! A calçada, diga-se de passagem, já não era grande coisa, mas adivinhem: o que é ruim, sempre pode piorar!
Antes a gente fazia zigue-zague pela calçada para passar essa quadra, agora fazemos zigue-zague na rua! O poste é enorme e está bem no meio da, em tese, calçada. Agora temos duas alternativas: ou invadimos a rua ou caímos no barranco!


Bem, como eu disse, a calçada, por si só, já é uma vergonha:


Olha que interessante: buracos e arames saem do meio da calçada! Imagina passar aqui a noite!


Mais obras da FOZ:


Essa é outra parte que me chama bastante atença. A calçada é estreita e está ABAIXO do nível da rua, detalhe, em uma curva. O que acontece? Bem, fora que quando chove ela fica inundada, vira e mexe um motorista invade a calçada enquanto está fazendo a curva. Isso já aconteceu algumas vezes na minha frente! Sério, dá medo!


Bem... na sequencia tem um terreno baldio que SEMPRE está cheio de mato e este impede nossa passagem... Quando está chovendo, parece que você está sendo benzido com ramos e quando faz sol, você termina o trajeto cheio de matos e sementes grudados na roupa. É um espetáculo!


Faz mais ou menos um ano que uma patrola subiu nesse terreno baldio, para fazer sabe lá o que, consequência: o lindo mosaico de calçada que você vê abaixo.


Bem... calçadas estreitíssimas que se seu guarda-chuvas for muito grande é carregado pelos carros que passam ao lado...


E por fim, já chegando no ponto, calçadas maiores! Aleluia!
Entretanto, como podem ver... eu perdi o ônibus!! Bem... daqui a dez minutos (conforme o site, poque no mundo real demora meia hora) passa outro!



domingo, janeiro 05, 2014

Como dar comprimidos ao gato

COMO DAR COMPRIMIDOS AO GATO

1. Pegue o gatinho e aninhe-o no seu braço esquerdo como se segurasse um bebê, tendo o comprimido na palma da mão esquerda. Coloque o indicador e o polegar da mão direita nos dois lados da boquinha do bichano e aplique uma suave pressão nas bochechas. Quando o felino abrir a boca, pegue rápido o comprimido da palma da mão esquerda e atire-o lá para dentro. Deixe o gato fechar a boquinha e engolir.       

2. Recupere o comprimido do chão e o gato de detrás do sofá. Aninhe o gato novamente no braço esquerdo e repita o processo.       

3. Vá ao quarto buscar o gato e jogue fora o comprimido meio desfeito.       

4. Retire um novo comprimido da embalagem, aninhe o gato no seu braço, segurando firmemente as patas traseiras com a mão esquerda. Obrigue o gato a abrir a mandíbula e empurre o comprimido com o indicador direito até o fundo da boca. Mantenha a boca do gato fechada e conte até 10.       

5. Recolha o comprimido de dentro do aquário e o gato de cima do guarda-roupa. Chame a sua esposa para ajudar.      

6. Ajoelhe-se no chão, tendo o gato firmemente preso entre os joelhos. Segure as quatro patas. Ignore os rosnados ameaçadores do gato. Peça à sua esposa que segure firmemente a cabeça do bichinho com uma mão e force a ponta de uma régua para dentro da boca do gato com a outra. Ela deve deixar rolar o comprimindo pela régua e esfregar vigorosamente o pescoço do gato.       

7. Desça o gato de cima da cortina e retire outro comprimido da embalagem. Tome nota mental de que precisará adquirir outra régua e mandar consertar as cortinas. Cuidadosamente varra os cacos das estatuetas e dos vasos do meio da sala e guarde-os para colar mais tarde.       

8. Enrole o gato numa toalha grande e peça à sua esposa que se deite por cima de forma a que apenas a cabeça do gato apareça por debaixo do sovaco dela. Instale o comprimido na ponta de um canudinho, obrigue o gato a abrir a boca e mantenha-a aberta com um lápis atravessado. Assopre o comprimido do canudinho para dentro da boca do gato.       

9. Consulte a bula para verificar se comprimido de gato faz mal a ser humano. Tome uma cerveja para lavar o gosto da boca. Faça um curativo no antebraço da sua esposa e remova as manchas de sangue do carpete com água fria e sabão.      

10. Retire o gato do galpão do vizinho. Pegue outro comprimido. Abra outra cerveja. Coloque o gato dentro do armário e feche a porta até o pescoço de forma que apenas a cabeça fique de fora. Force a abertura da boca do gato com uma colher de sobremesa. Jeitosamente, utilize um elástico como atiradeira para lançar o comprimido pela garganta do gato.       

11. Procure uma chave de fenda e ponha a porta do armário novamente no lugar. Tome a cerveja. Procure uma garrafa de cachaça. Tome um traguinho. Aplique uma compressa fria na bochecha e verifique a data da sua mais recente vacina contra tétano. Aplique uma compressa de cachaça na bochecha para desinfetar. Tome mais um traguinho. Jogue a camiseta no lixo e procure outra no quarto.       

12. Ligue para os bombeiros, pedindo que venham retirar o desgraçado do gato lá de cima da árvore do outro lado da rua. Peça desculpas ao vizinho que se machucou ao tentar desviar-se do gato em fuga. Retire o último comprimido da embalagem.       

13. Amarre as patas da frente às patas de trás desse danado e prenda-o firmemente à perna da mesa de jantar. Nas mãos, ponha luvas de couro. Do quintal, puxe a mangueira. Empurre o comprimido para dentro da boca da besta, seguido de um pedaço de carne. Segurando firmemente a cabeça desse terror felino, mande-lhe meio litro de água goela abaixo, para que o comprimido desça.       

14. Tome o que sobrou da cachaça. Peça à esposa que o leve ao pronto-socorro mais próximo. Agüente firme enquanto o médico lhe costura os dedos e o antebraço e retira os restos do comprimido de dentro do olho direito. Lembre-se: "homem não chora". A caminho de casa, use o celular para falar com as casas de móveis para se informar sobre o preço de uma nova mesa de jantar.       

15. Peça à Liga de Proteção aos Animais que mandem um funcionário com urgência para recolher o raio desse bichinho mutante. Ligue para a loja dos animais e pergunte se eles têm tartaruguinhas para vender.

Fonte: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/recomp.htm