segunda-feira, janeiro 30, 2012

Onde desperdiçamos a vida...

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência
egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos
também a felicidade.

(Carlos Drummont de Andrade)

sexta-feira, janeiro 27, 2012

Rio de Janeiro de outrora

"Senhor Diretor,

Peço desculpas se ocupo vosso tempo e o dos leitores com divagações deste provecto e solitário carioca, que vive em sua vetusta morada aos pés da Rua do Jogo da Bola, no castigado centro do Rio de Janeiro.

Contemplando as mazelas que afligem esta urbe moderna, fico saudoso do tempo em que nossos avós, os sinhozinhos e as nhanhãs de outrora, passeavam despreocupados, com seus tílburis, pelas ruas da Corte, sem jamais imaginar que seus descendentes sofreriam com bueiros a explodir, arranha-céus a desmoronar e helicópteros a perturbar seu sono.

Quando falo nisso, meus sobrinhos dizem que estou a romantizar o passado, que a cidade antiga, com suas vielas infectas e suas epidemias de febre amarela, estava longe de ser um paraíso, mas essa nostalgia do que não vivi insiste em habitar minha cachola, talvez perturbada pelo incessante funk que meu jovem vizinho insiste em ensinar para todos os moradores do Morro da Conceição.

De uns tempos para cá, dei para imaginar que as tragédias que se abatem sobre esta cidade são vinganças que o passado fica a engendrar, em represália aos maus-tratos que o progresso causou à memória desta terra.

Assim, passei a ver a tragédia do Bateau Mouche como uma resposta do Deus Netuno aos muitos aterros que avançaram sobre seus domínios. A explosão de um prédio na Praça Tiradentes, como uma retaliação arquitetada por Clio, a musa da História, diante de um contrassenso : como é que a cidade ergue, no meio de uma praça dedicada ao Mártir da Inconfidência, uma estátua de Dom Pedro Primeiro, um neto daquela desassisada rainha que foi a algoz do nosso herói?

Tudo isso me vem à baila quando penso na tragédia mais recente da cidade, que pôs abaixo três prédios da Rua Treze de Maio. A Treze de Maio, que já se chamou Rua da Guarda Velha, porque ali o velho Gomes Freire havia estabelecido um corpo de guarda para conter a algazarra dos escravos que vinham buscar água no Chafariz da Carioca... A Treze de Maio, que já abrigou o Teatro Lírico, onde brilharam Caruso, Sarah Bernhardt e Duse, e onde Toscanini pela primeira vez regeu uma orquestra... A Treze de Maio, que deveria ser tão cara para os jornalistas, pois ali ficava o prédio neogótico da Imprensa Nacional, ali Irineu Marinho fundou O Globo, e Chateaubriand instalou num certo momento seu império.

E não deixa de ser irônico o fato de que um dos edifícios destruídos agora fica na pequena Rua Manuel de Carvalho, cujo nome homenageia um dos mestres da engenharia brasileira, auxiliar de Paulo de Frontin na epopeia de construção da Avenida Central.

Recuo mais no tempo e me recordo que, ocupando o leito da atual Treze de Maio, havia uma lagoa, a de Santo Antônio. E, voltando à conspiratória teoria da Vingança da História, fico a imaginar se não haveria nessa tragédia uma revanche tardia dos sapos da antiga lagoa. Afinal, os sapos, barbudos ou não, podem causar muitos estragos...

Atenciosamente,

Tertuliano Vahia Monteiro de Sá e Benevides"

Fonte: Migalhas

Óia as Pracas






    

 

  

 

 

    

 

 

      

 

      

 

  
 


 
--





 

quinta-feira, janeiro 26, 2012

Radiohead - Creep

Nunca tinha ouvido essa banda, mas gostei...
As vezes eu me sinto assim, uma estranha, queria ser perfeita para agradar a pessoa que amo, queria me sentir sempre de bem comigo e com os outros.; Queria me animar todos os dias por estar aonde eu estou, mas no final não passamos de mais um ser no meio da multidão, somos quase tão insignificantes quanto um verme.

Eu sei... eu quero mudar tudo... eu não pertenço a esse lugar...
Eu sou uma estranha...



Também me interessei pelo filme...quem sabe eu assista...

quarta-feira, janeiro 25, 2012

Etta James, hoje completaria 74 anos




Etta James, cujo nome verdadeiro era Jamesetta Hawkins, (Los Angeles, 25 de janeiro de 1938 — Riverside, 20 de janeiro de 2012) foi uma cantora norte-americana de blues, R&B, jazz e música gospel. Também era conhecida como Miss Peaches.

Etta James nasceu na Califórnia, filha de Dorothy Hawkins, uma afro-americana mãe solteira de 16 anos. Filha de pai branco, Etta procurou saber quem era seu genitor, desconhecido até então, sua mãe diz ser Minnesota Fats e do qual ela recebia pensão na condição de manter segredo sobre sua paternidade.

Ela teve o seu primeiro contacto com a música aos 5 anos de idade, tendo aulas com James Earle Hines, diretor musical da escola Echoes of Eden da Igreja Batista de St. Paul, em Los Angeles.

Sua família mudou-se para São Francisco, Califórnia, em 1950, e em 1952 Etta e mais duas amigas formaram o trio (As Creolettes), o qual viria a chamar a atenção de Johnny Otis. Otis inverteu as sílabas do seu nome para lhe dar uma melhor sonoridade assim surgindo o seu nome artístico, onde Jamesetta se tornou Etta James. A partir daí Otis investiu na garota começando a gravar os seus primeiros temas.

Sua primeira gravação, e seu primeiro êxito R&B, foi de sua própria autoria, "The Wallflower (Roll with Me, Henry)", uma música-resposta para a músia de Hank Ballard, "Work with Me, Annie". Em 1954, Etta gravou juntamente com a banda de Otis e com Richard Berry, o qual cantava a segunda voz. A canção não estava totalmente boa, e foi re-escrita por Georgia Gibbs, ganhando o título de "Dance with Me, Henry". Também gravou momentaneamente o Etta James & the Peaches, com diversos hits e foi contratada mais tarde pela Chess Records em 1960.

Roll with me, Henry


Saiu em turnê com Johnny "Guitar" Watson juntamente com Otis nos anos '50 e foi citada por Watson como a penúltima influência em seu estilo.

Ela lançou vários duetos com Harvey Fuqua (de The Moonglows), do qual surgiu o seu maior sucesso já gravado, a belissima e clássica "At Last". A canção, que apareceu juntamente com outros êxitos como "All I Could Do Was Cry" e "Trust in Me", foi incluída no seu álbum de estreia, "At Last!".

A cantora não foi a primeira a gravar a música, que em sua versão tinha altas doses de jazz, mas foi a de James que se tornou a mais famosa e a que iria definí-la como uma cantora lendária. Ao longo das décadas, muitas noivas ao redor do mundo usaram a canção, que foi passada de geração em geração por aparecer em trilhas sonoras de filmes como "American pie". Além disso, o presidente Obama e a primeira-dama dançaram ao som do sucesso no baile de inauguração.



O r&b fez com que Etta James se afastasse da igreja. O músico Johnny Otis – que morreu nesta terça (17) – a encontrou cantando numa esquina de San Francisco com algumas amigas no começo da década de 50. Com 15 anos, James então foi a Los Angeles com Otis (após forjar um documento no qual sua mãe supostamente alegava que ela tinha 18) para gravar “Dance with me, Henry” em 1955.

A artista, cuja sonoridade caminhava entre o soul, o blues e o jazz, teve uma vida turbulenta. Nunca conheceu seu pai, mas descrevia sua mãe como ausente e uma viciada em drogas. Foi criada por Lula e Jesse Rogers, que eram donos da casa onde a mãe de James chegou a morar. Ela frequentava a igreja graças à dupla, e sua voz costumava se destacar dentro do coral. Ficou tão famosa pelos momentos nos quais cantava sozinha que dizia receber a visita de estrelas de Hollywood que queriam vê-la cantar.

Etta James teve um sério problema de drogas e romances mal sucedidos, que interferiram em sua carreira. Posteriormente ela tem problemas com a obesidade (chegando a ter quase 200 kg), que levaram-na a fazer uma cirurgia gástrica em 2003, fazendo-a perder quase 100kgs. Em 2003 Etta James recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Etta fez tours pela América junto com seus dois filhos, Donto e Sametto. Em 2011, cantou com Flo Rida, na musica Good Feeling, com uma participação não-creditada. Cinco dias antes de seu aniversário de 74 anos, ela finalmente sucumbiu à leucemia e outras doenças no Riverside Community Hospital, na cidade de Riverside, na Califórnia.

Seu último álbum, “The dreamer”, foi lançado em novembro de 2011 e trouxe sua interpretação para canções como “Welcome to the jungle”, do Guns N’ Roses e “Misty blues”, de Bob Montgomery.

Fritura em azeite ou óleo de girassol não eleva risco cardíaco, diz estudo

Um estudo de pesquisadores espanhóis afirmou que fritar alimentos com azeite de oliva ou óleo de girassol não faz mal para o coração.
O estudo da Universidade Autônoma de Madri não achou correlação entre frituras com estes dois tipos de óleo ricos em gordura não-saturada e problemas cardíacos ou mortes prematuras.
Em um artigo na revista científica online BMJ.com, os pesquisadores alertaram, entretanto, que as conclusões não se aplicam a outros óleos de cozinha, como os óleos de origem animal.
Quase 41 mil adultos, residentes em cinco diferentes regiões da Espanha e hábitos alimentares variados, foram acompanhados ao longo de 11 anos. Eles deram detalhes sobre sua dieta em uma semana típica, incluindo a forma como preparavam e cozinhavam os alimentos.
No início da pesquisa, nenhum deles tinha sinais de doença cardíaca. Ao fim do período, tinham ocorrido 606 incidentes relacionados a problemas cardíacos e 1.134 mortes.
Quando os pesquisadores analisaram os detalhes dos incidentes, não encontraram qualquer ligação destes com o consumo de alimentos fritos, e isso, segundo os especialistas, se deve ao tipo de óleo usado na fritura, no caso azeite e óleo de girassol.

Dieta mediterrânea
Não é de hoje que a dieta dos países do Mediterrâneo, entre os quais está a Espanha, é apontada como saudável por causa da abundância de peixe fresco e frutas e legumes plenos de fibras e de baixas calorias.
Inúmeros estudos já apontaram que uma dieta saudável pode reduzir o risco de doenças cardíacas e mesmo câncer.
Em um editorial que acompanha o estudo, o especialista Michael Leitzmann, da Universidade de Regensburg, na Alemanha, escreveu que "como conjunto, o mito de que comida frita geralmente é ruim para o coração não é confirmado pela evidência disponível".
"Mas isso não quer dizer que refeições frequentes compostas de frituras não terão consequências para a saúde. O estudo sugere que aspectos específicos das frituras fazem diferença, como o tipo de óleo usado e outros aspectos da dieta", avaliou.
A Fundação Britânica para o Coração atualmente recomenda aos indivíduos trocar óleos ricos em gordura saturada, como manteiga e óleos de origem animal e de palma por outros ricos em gordura não saturada, como azeite de oliva e óleo de girassol.
A especialista em dieta da entidade, Victoria Taylor, lembra que "independentemente do método de cozinha utilizado, o consumo de alimentos de alto valor calórico implica um alto consumo calórico, que pode levar a ganho de peso e obesidade, fatores para doenças cardíacas".
"Uma dieta equilibrada, com abundância de frutas e legumes e apenas uma pequena quantidade de alimentos ricos em gordura é melhor para a saúde do coração", afirmou.

Fonte: Terra Notícias

Dia nacional de combate a intolerância religiosa



terça-feira, janeiro 24, 2012

ASSALTO

 - Alô? Quem tá falando?
- Aqui é o ladrão. 
- Desculpe, a telefonista deve ter se enganado, eu não queria falar com o dono do banco. Tem algum funcionário aí?
- Não, os funcionário tá tudo refém. 
- Há, eu entendo. Afinal, eles trabalham quatorze horas por dia, ganham um salário ridículo, vivem levando esporro, mas não pedem demissão porque não encontram outro emprego, né? Vida difícil... Mas será que eu não poderia dar uma palavrinha com um deles?
- Impossível. Eles tá tudo amordaçado. 
- Foi o que pensei. Gestão moderna, né? Se fizerem qualquer crítica, vão pro olho da rua. Não haverá, então, algum chefe por aí?
- Claro que não mermão. Quanta inguinorânça! O chefe tá na cadeia, que é o lugar mais seguro pra se comandar assalto!
- Bom... Sabe o que é? Eu tenho uma conta...
- Tamo levando tudo, ô bacana. O saldo da tua conta é zero!
- Não, isso eu já sabia. Eu sou professor! O que eu queria mesmo era uma informação sobre juro.
- Companheiro, eu sou um ladrão pé-de-chinelo. Meu negócio é pequeno. Assalto a banco, vez ou outra um sequestro.. Pra saber de juro é melhor tu ligá pra Brasília.
- Sei, sei. O senhor tá na informalidade, né? Também, com o preço que tão cobrando por um voto hoje em dia... Mas , será que não podia fazer um favor pra mim? É que eu atrasei o pagamento do cartão e queria saber quanto vou pagar de taxa.
- Tu tá pensando que eu tô brincando? Isso é um assalto!
- Longe de mim pensar que o senhor está de brincadeira! Que é um assalto eu sei perfeitamente; ninguém no mundo cobra os juros que cobram no Brasil. Mas queria saber o número preciso: seis por cento, sete por cento?
- Eu acho que tu não tá entendendo, ô mané. Sou assaltante. Trabalho na base da intimidação e da chantagem, saca?
-Ah, já tava esperando. Você vai querer vender um seguro de vida ou um título de capitalização, né?
- Não... Já falei... Eu sou... Peraí bacana... Hoje eu tô bonzinho e vou quebrar o teu galho.
(...um minuto depois)
- Alô? O sujeito aqui tá dizendo que é oito por cento ao mês.
- Puxa, que incrível!
- Incrive por quê? Tu achava que era menos?
- Não, achava que era mais ou menos isso mesmo. Tô impressionado é que, pela primeira vez na vida, eu consegui obter uma informação de uma empresa prestadora de serviço pelo telefone em menos de meia hora e sem ouvir 'Pour Elise'.
- Quer saber? Fui com a tua cara. Acabei de dar umas bordoadas no
gerente e ele falou que vai te dar um desconto. Só vai te cobrar quatro por cento, tá ligado?
- Não acredito! E eu não vou ter que comprar nenhum produto do banco?
- Nadica de nada, já tá tudo acertado!
- Muito obrigado, meu senhor. Nunca fui tratado dessa...
(de repente, ouvem-se tiros e gritos)
- Ih, sujou! Puliça!
- Polícia? Que polícia? Alô? Alô?
(sinal de ocupado...)
- Droga! Maldito Estado: quando o negócio começa a funcionar, entra o Governo e estraga tudo!

Luís Fernando Veríssimo

sexta-feira, janeiro 20, 2012

Felicidade COM MINÚSCULAS



Felicidade COM MINÚSCULAS, por Leila Ferreira

“A felicidade é a soma das pequenas felicidades”: li essa frase uma vez num outdoor em Paris e nunca me esqueci dela. Na época, eu já suspeitava que a felicidade com letras maiúsculas, de que tanto se fala, não existia. Mas não sabia o que colocar no lugar dela: afinal, sonhamos com a grande felicidade desde que nos entendemos por gente e, de repente, imaginar que ela não existe, que é uma espécie de Papai Noel que aguardamos de janeiro a dezembro, deixa um vazio grande dentro da gente.

Quando li a frase do outdoor, uma ficha básica caiu. Entendi que a felicidade, ao contrário do que pregam os pessimistas, existe sim. Só que, ao contrário do que pintam os otimistas, ela não vem no superlativo. A grande felicidade dos finais dos contos de fadas e dos filmes de Hollywood só é possível nos contos de fada e nos filmes de Hollywood. Na vida real, o que existe é uma felicidade homeopática, distribuída em conta-gotas. Uma pequena alegria aqui, outra ali, uma surpresa que nos faz ganhar o dia (e não necessariamente o mês), um encontro que ilumina um final de tarde ou uma tarde que ilumina a vida. São momentos, pedaços, fatias.

Depois que entendi isso, tudo ficou mais fácil - e mais possível. Não espero mais pelos dias perfeitos que a grande felicidade promete trazer. E uso o “quando” com mais moderação: quando eu tiver o melhor emprego do mundo, quando eu encontrar o amor perfeito, quando eu emagrecer, quando eu tiver um filho, quando meus filhos crescerem, quando eu me aposentar, quando eu terminar meu mestrado, quando, quando, quando… enquanto a gente vai empilhando os “quando”, esperando aquele acontecimento ou aquele momento mágico que vai nos proporcionar a felicidade com letras maiúsculas, a felicidade homeopática passa e a gente não nota. Os momentos que poderiam ser especiais, ou especialíssimos, passam batidos porque estamos esperando a mega sena acumulada, a felicidade acumulada, a explosão hollywoodiana de alegria.

Tenho tentado ao máximo não ficar distraída. Quero, a cada minuto, prestar atenção, olhar, ouvir - ficar atenta a todos os sinais de felicidade: que seja a alegria modesta de tomar a primeira xícara de café da manhã, o prazer discreto de ler um livro que não é uma obra-prima mas nos faz sonhar, a sensação agradável de reencontrar nossa primeira professora, a possibilidade de brincar por meia hora com uma sobrinha que mora longe e que a gente ama, a leveza de pôr a cabeça no travesseiro e pensar que estou com saúde, que minha mãe está viva e que o dia seguinte vai nascer cheio de incógnitas e de promessas. Mais um dia pra gente ter a chance de ser, varias vezes, minimamente feliz.

Não sei se você concorda. Não sei se a soma das pequenas felicidades é uma operação matemática muito modesta pros nossos tempos. Talvez me falte ambição. Ou talvez eu tenha a maior ambição de todas, que é ser feliz… sem ser exatamente feliz. Faz sentido?





Leila Ferreira é uma jornalista que adora colecionar histórias das loucuras e das manias femininas. É autora do livro Mulheres: Por que Será que Elas....?, da Editora Globo

quinta-feira, janeiro 19, 2012

A TEMPESTADE


Eles estavam juntos na casa.

Apenas os dois.

Era uma noite fria, escura e chuvosa. A tempestade tinha chegado de repente.

E cada vez que um trovão ecoava, ele observa o seu pulo.

Ela olhou através da sala e admirou sua força aparente...e

Desejou que ele pudesse pegá-la em seus
braços, confortá-la e protegê-la da tempestade.


De repente, com um estouro, a energia se foi... ela gritou...

Ele correu ao sofá onde ela se encolhia de medo.

Ele não hesitou e a colocou em seus braços.

Ele sabia que era uma união proibida e tinha a expectativa de que ela o empurrasse de volta.

Ele ficou surpreso quando ela não resistiu e o agarrou.

A Tempestade passou....

Eles sabiam que estavam errados...

Suas famílias nunca entenderiam... Tão consumidos estavam em seu MEDO que não ouviram nenhuma porta se abrindo...
apenas o clique seco de uma câmera...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

terça-feira, janeiro 17, 2012

MacGyver

Então, tá aí uma coisa que eu não sabia. TODOS os truques utilizados pelo MacGyver, por mais mirabolantes que pareçam, são todos cientificamente possíveis!
...acho que vou começar a testar alguns em casa...

segunda-feira, janeiro 16, 2012

Homem condenado por deixar o cão bêbado.


Um homem da Inglaterra foi proibido de ter um cachorro durante três anos. A sentença foi dada depois que seu filhote de labrador, então com seis meses, ficou bêbado de vodka com coca

Segundo informações do jornal Mirror, Matthew Cox, de 26 anos, estava bebendo junto com seu colega de quarto e deixou a bebida no chão para ir fumar. Foi então, que o filhote, chamado Max, "mandou para dentro" todo o conteúdo do copo contendo um quarto de vodka e três quartos deCoca-Cola

Por ser um bebê, o cachorrinho acabou ficando bêbado e sozinho em casa, já que os dois adultos saíram de casa. Duas meninas viram o cãozinho caido em uma loja perto da casa de Matthew e decidiram chamar a polícia. Quando os guardas chegaram, Max ainda estava cambaleante, mas junto com o colega de quarto de seu dono. 

O animalzinho foi levado ao veterinário por um dos policiais. Max precisou ficar internado tomando soro até o álcool sair de seu sangue. Assim que ficou bem o cãozinho foi encaminhado para um abrigo. 

Corte de Magistrados de Nottingham ouviu o veterinário que alertou sobre o sofrimento de Max em passar mais de 12 horas com álcool em seu organismo e o quanto isso pode ter trazido problemas ao animal, que provavelmente perdeu a compreensão do seu entorno por estar tão embriagado. Segundo o veterinário, este foi o primeiro caso de animal intoxicado por bebida a ser atendido por lá. 

Matthew foi indiciado por permitir que o cachorro bebesse. Para piorar um pouco a situação do dono de Max, ao ser chamado par depor, apareceu ao tribunal trajando bermuda e camiseta. Acabou ficando preso ao se declarar culpado por não garantir o bem-estar de um animal, não impedindo que este ingerisse bebida alcoólica. Ele foi condenado a "não possuir um cão por pelo menos três anos" e ficará em liberdade condicional por mais 2 anos.  

quarta-feira, janeiro 11, 2012

Miguelzinho

Bem,
Sinto-me triste por não ter conversado mais com ele. Não ter obtido
mais informações sobre a luta de classes, sobre mudar as coisas, sobre
fazer política.
É uma pessoa que vai cedo, que gostaria de ter convivido mais, de ter
conhecido melhor.
Meu Pai foi junto com o Filho dele para Montevidéu, mais do que como
colega, como amigo!

Noticias sobre:

Miguel Isloar Sávio, o Miguelzinho do PT, foi Presidente do Sindicato
dos Trabalhadores Rurais de São Miguel do Iguaçu, secretário do Bem
Estar Social e sabia fazer politica como poucos, sendo um dos
principais organizadores no PT, Partido dos Trabalhadores, agremiação
partidária que ele defendeu na maior parte de sua vida.

(Fonte: http://www.radioeducadora.com/educadora/ver_noticia.php?not=34815)

Aos 65 anos, Miguel Isloar Sávio, o "Miguelzinho do PT", gestor do
Projeto Agricultura Familiar da Itaipu Binacional, morreu na noite
desta segunda-feira (9), durante viagem de férias com a esposa.
Miguelzinho estava a bordo de um transatlântico que partiu, no domingo
(8), do porto de Santos em direção a Buenos Aires. Segundo informações
preliminares, às 23h ele sofreu um infarto e não resistiu, mesmo após
ser atendido pela equipe médica do cruzeiro. Ele deixa esposa e dois
filhos.

Ainda não há informações sobre data, hora e local de velório e
sepultamento. O corpo deve ser desembarcado na próxima parada do
navio, na manhã de quarta-feira (11), em Montevidéu (Uruguai), onde
está sendo aguardado por um filho e um colega. A binacional está dando
todo o apoio necessário para agilizar os trâmites do traslado até Foz
do Iguaçu.

Empregado da Itaipu desde agosto de 2003, Miguel Sávio era técnico de
campo da Divisão de Ação Ambiental da binacional, sindicalista e
político da região Oeste do Paraná.

Mensagens de condolências podem ser enviadas para a viúva, Amélia
Sperfeld Sávio. Endereço: Rua Guaiquiçá, 111, Vila A, Foz do Iguaçu –
Paraná. CEP: 85.861-310.

(Fonte: http://jie.itaipu.gov.br/index.php?secao=noticias_itaipu&q=pt/node/3)

Orquideas - Os dez mandamentos do iniciantes

Os dez mandamentos do iniciantes


1. Não vá com muita sede ao pote. Orquidófilos experientes recomendam
que você se inicie comprando plantas que se adaptem a seu espaço e
clima, que sejam resistentes e baratas, porque, no início, quase todos
deixam morrer muitas plantas.

2. Tenha clareza sobre o seu objetivo. Você quer ser produtor,
comerciante ou colecionador? Definida a sua meta, associe-se a um
grupo de orquidófilos de sua cidade. Muitos problemas podem ser
evitados, se você tiver com quem trocar idéias.

3. Visite muitos orquidários para ver qual o modelo que serve a seu
espaço, clima, bolso e objetivo. Mas, atenção, não tome muito tempo do
orquidófilo, a não ser que vá comprar plantas. Lembre-se de que ele
tem compromissos. O ideal é ligar antes.

4. Saiba que a maior parte das orquídeas floresce uma vez por ano. Se
quiser ter flores o ano inteiro, compre plantas floridas em meses
diferentes. E nunca, nunca compre planta sem nome. Depois, dá o maior
trabalho pra descobrir.

5. Há também flores que podem durar de 2 a 3 meses, em compensação,
outras murcham no dia seguinte. A média é de uma a duas semanas.
Informe-se sobre a duração da flor, se isto for importante para você.

6. Não caia na tentação de comprar flores que gostam de frio, se você
mora em lugar quente e vice versa, a menos que possa bancar um
controle de temperatura em seu orquidário.

7. Quase todo iniciante quer se aventurar na técnica do cruzamento de
orquídeas, sementeira, meristema, etc. Saiba que esta é uma aventura
que exige dinheiro, conhecimento, estudo, tempo, dedicação e que
existem muitos laboratórios idôneos para os quais você pode enviar sua
semente para reprodução por baixo custo. Entretanto, se sua intenção é
produzir para vender, leia a respeito e faça estágios com produtores.
Nada como o dia-a-dia para aprender. Um cruzamento deve sempre visar
ao aperfeiçoamento da espécie, por isso é necessário conhecimento.

8. Não compre bandejas de mudinhas da mesma planta, a menos que tenha
muito espaço e tempo para cuidar delas. Se sua intenção é revender,
pode levar muito tempo até que ela dê flor. Desde a semeadura, uma
orquídea leva cerca de 5 a 6 anos para florir. Se quer colecionar, não
vai ter graça nenhuma ver sempre a mesma flor, a menos que esteja com
intenção de trocar.

9. Embora os nomes das orquídeas sejam complicados, não há como
escapar, comece a chamá-las pelo nome. Você tem que saber de cor os
nomes de suas plantas. É um ótimo exercício para a memória e evita
muita confusão na hora em que for referir-se a elas. No começo é
difícil, depois todos se acostumam.

10. A alegria do verdadeiro orquidófilo está em ver sua planta
desenvolver-se. Antes de ver a flor, há muitos detalhes para
acompanhar. Uma nova raiz ou muitas raízes parecendo uma macarronada é
uma festa, um ou mais brotos despontando numa planta que estava
desenganada é uma grande vitória, um botão de uma flor que ainda não
vimos é um sucesso. Mas há pragas a serem vencidas, há muito o que
estudar do clima de onde vem a planta, se quer adubo ou não, se quer
sol direto ou meia sombra, se quer muita ou pouca água. Enfim, para se
ter plantas saudáveis é preciso estar atento aos detalhes, elas falam
pelo comportamento, aliás, como todos nós. Se observássemos em nossas
relações familiares e com amigos os detalhes do que não se fala,
talvez fôssemos mais felizes. E por falar nisso, procure incluir sua
família. O trato com as plantas pode aproximar e ensinar muito.

Fonte: http://www.portalmundodasflores.com.br/dic_capa_36.asp

terça-feira, janeiro 10, 2012

Nota de Falecimento

É com grande pesar que comunico, o falecimento de um grande amigo,
Miguel Isloar Sávio. Ele estava de férias com a esposa em um
transatlântico quando teve um infarto fulminante a 1h00 da manhã de
hoje.

Ele era uma pessoa admirável, de caráter ilibado. Foi uma pessoa que
lutou muito por tudo que acreditava. Ele com certeza marcou sua
presença no mundo. É uma pessoa que admiro, independente de não estar
mais aqui, pois seus feitos continuarão guardados nos corações de quem
ele tocou.

"Miguelzinho" como era chamado, talvez não mereça esse título, pois
possuía uma enorme capacidade e um imenso coração.

Ele foi um grande guerreiro.
Plantou muitas sementes.
Acreditou nos seus sonhos.
E agora parte... deixando para nós a lembrança e a admiração pela
pessoa que foi em sua passagem pela terra.

Vá em paz.

Mayane

segunda-feira, janeiro 09, 2012

O que é sucesso?

O que é SUCESSO? 


Aos 02 anos sucesso é: conseguir andar 
Imagem

Aos 04 anos . sucesso é: não fazer xixi nas calças

Aos 12 anos . sucesso é: ter amigos 
Imagem

Aos 18 anos . sucesso é: ter carteira de motorista.
Imagem

Aos 20 anos. Sucesso é: fazer sexo
Imagem

Aos 35 anos. Sucesso é: dinheiro
Imagem

Aos 50 anos. Sucesso é: dinheiro
Imagem

Aos 60 anos. Sucesso é: fazer sexo
Imagem

Aos 70 anos. Sucesso é: ter carteira de motorista.
Imagem

Aos 75 anos. Sucesso é: ter amigos
Imagem

Aos 80 anos. Sucesso é: não fazer xixi nas calças 
Imagem

Aos 90 anos. Sucesso é: conseguir andar.
Imagem


ASSIM É A VIDA... ...NÃO LEVAMOS NADA DELA, 
PARA QUE PERDER TEMPO COM MALDADE, FALSIDADE, FALTA DE AMOR, DESRESPEITO, MAU HUMOR, E TANTAS BOBAGENS SEM SENTIDO?
TODOS TEREMOS O MESMO DESTINO, INDEPENDENTEMENTE DA CONDIÇÃO FINANCEIRA, DA CLASSE SOCIAL. PORTANTO, AME, BRINQUE, PERDOE E APROVEITE A VIDA...
SEJA FELIZ !!!

quinta-feira, janeiro 05, 2012

Gatos usados em pesquisa contra Aids felina brilham à luz ultravioleta

A um tempo atrás eu li essa matéria, e achei bem interessante. Vale a pena compartilhar.

Efeito luminoso é causado pela presença de proteína típica de águas-vivas. Células dos animais ficaram resistentes ao 'FIV', versão felina do HIV.
Fonte: Do G1

Gatos usados por cientistas norte-americanos tiveram suas células alteradas para poder brilhar e, de quebra, resistir à versão do vírus da Aids responsável pela doença em felinos. O estudo foi publicado na revista científica 'Nature Methods'.

O efeito luminoso é causado pelo presença de uma proteína fluorescente extraída de águas-vivas e acontece quando os felinos são expostos à luz ultravioleta. Já a proteção contra o FIV - a versão felina do HIV - é garantida pelo inclusão de um gene de macaco dentro do material genético dos gatos.

Conhecido como TRIMCyp, o gene do macaco faz a proteção externa do vírus ser destruída antes que ele consiga infectar as células dos felinos. Para colocar o material no corpo dos gatos, os cientistas alteram óvulos não fecundados. Neste momento, foram incluídos também os genes 'fluorescentes' de águas-vivas para que alterações dentro dos gatos pudessem ser rastreadas.

Os cientistas da Mayo Clinic, instituto responsável por desenvolver a pesquisa, afirmaram que os filhotes gerados pelos gatos geneticamente alterados também apresentaram os genes. A esperança dos pesquisadores é de que a herança genética continue a ser transmitida pelas próximas gerações desses mamíferos. A tecnologia também pode servir, no futuro, para a criação de novas estratégias para preservar as 36 espécies ameaçadas de gatos selvagens no mundo.

A Aids já matou 30 milhões de pessoas no mundo e ainda não há uma vacina ou cura disponivel para combater a doença que seja reconhecida pela comunidade científica e adotada na prática médica. A versão felina também já deixou milhões de gatos mortos.

quarta-feira, janeiro 04, 2012

Dois anos por R$ 0,15

Fonte: STJ

Em 2004, o STJ julgou pedido de habeas corpus (HC 23.904) contra condenação a dois anos de prisão imposta a ajudante de pedreiro que teria furtado uma fotocópia de cédula de identidade, uma moeda de R$ 0,10 e outra de R$ 0,05. A vítima tinha acabado de ser agredida por outros quando foi abordada pelo réu e um menor que o acompanhava. 

Para o juiz, a sociedade clamava por "tolerância zero" e a jurisprudência rejeitava o conceito de crime de bagatela. O fato de terem os autores se aproveitado da vítima ferida, sem condições de resistir, indicaria alto grau de culpabilidade, por demonstrar "o mais baixo grau de sensibilidade e humanidade". 

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), ao julgar a apelação, classificou o princípio da insignificância como "divertimento teorético, supostamente magnânimo e 'moderno'". 

"Para certos esnobes, tudo o que não coincide com suas fantasias laxistas pertence à Idade da Pedra; eles, e mais ninguém, representam a modernidade, a amplitude de visão, a largueza de espírito, a nobreza de coração; eles definitivamente têm uma autoestima hipertrofiada", acrescentou o voto, negando a apelação. 

"Acha-se implantada uma nova ordem de valores, a moderna axiologia: comerás com moderação! Beberás com moderação e furtarás com moderação!", continuou o desembargador paulista. "Curioso e repugnante paradoxo: essa turma da bagatela, da insignificância, essa malta do Direito Penal sem metafísica e sem ética, preocupa-se em afetar deplorativa solidariedade aos miseráveis; no entanto, proclama ser insignificante e penalmente irrelevante o furto de que os miseráveis são vítimas", afirmou. 

"Essa arenga niilista do Direito Penal mínimo não raro conduz ao amoralismo máximo", completou o desembargador Corrêa de Moraes. "Portanto, a regra de ouro dos que professam a 'Teoria da Insignificância' é: furtar tudo de todos quantos tenham pouco, perdendo de vista que coisa insignificante para o ladrão pode ser muito significante para a vítima", concluiu. 

Ao relatar o caso no STJ, o ministro Paulo Medina registrou estranheza com "a forma afrontosa dos fundamentos" do TJSP. "O respeito à divergência ideológica é o mínimo que se pode exigir dos operadores do Direito, pois, constituindo espécie das chamadas ciências sociais aplicadas – o que traduz sua natureza dialética –, emerge sua cientificidade, de que é corolário seu inquebrantável desenvolvimento e modernização, pena de ainda vigorar o Código de Hamurabi", afirmou. 

"Os fundamentos utilizados pelo Tribunal a quo refogem à epistemologia da ciência do Direito Penal, na medida em que retira seu substrato de proposições calcadas em valores morais apreendidos a partir de ensinamentos familiares do julgador, de duvidosa sabedoria", acrescentou o ministro. "Ora, há muito separou-se o Direito da Moral", completou. 

O relator apontou que o furto protege especificamente o patrimônio da vítima, sem alcançar mesmo indiretamente sua pessoa, como no roubo. Por isso, para aferir a tipicidade material do fato, além da mera tipicidade formal, seria preciso avaliar em que medida o bem jurídico "patrimônio" da vítima foi afetado. "Ora, por óbvio, o furto de R$ 0,15 não gera considerável ofensa ao bem jurídico patrimônio. Conduta sem dúvida reprovável, imoral, mas distante da incidência do Direito Penal", concluiu o ministro. A Turma concedeu o habeas corpus por unanimidade. 

terça-feira, janeiro 03, 2012

Orquidário

A foto que coloquei ontem, foi quando recém tínhamos feito o orquidário. Mas a cada dia que passa estamos melhorando ele, agora colocamos alguns vasos suspensos. Quero também colocar algumas prateleiras, pois ainda está meio improvisado essa parte....


segunda-feira, janeiro 02, 2012

Meu cantinho

Minhas flores favoritas são as orquídeas, elas florescem apenas uma vez por ano, algumas sobre indução podem chegar a uma segunda floração. Possuem diferentes formas, cores e aromas. Algumas são até utilizadas na culinária, como é o caso da baunilha. Elas encantam quem as olhas, é algo de tirar o fôlego. A escolha é muito difícil mediante ao grande número se espécies, para cada local região e maneira de cultivo, pode ter certeza haverá uma capaz de se adaptar.

Sabendo dessa minha preferência, ganhei algumas orquídeas desde que cheguei em Blumenau. Mas enfrentei um pequeno problema: eu moro em apartamento. E apesar de algumas espécies como as phalaenopsis, as dendobrium e as denphal se adaptarem e esses locais, elas exigem que não pege muito vento, mas pegue uma boa iluminação, a rega deve ser moderada, esses cuidados padrão, mas como fazer isso aqui? Eu teria que ficar mudando elas de local, pois deixo a varanda aberta e é o melhor local para pegar sol, mas não poderiam ficar exposta diretamente ao vento. E se tem uma coisa que aprendi, as orquídeas detestam ficar mudando de lugar. São plantas que gostam de ser admiradas, mas jamais levadas de um lugar para o outro.

Então minha a Dona Nily (minha sogra) está me ajudando a construir um orquidário na casa dela, ela já deixou toda a estrutura pronta. Agora falta fazer as prateleiras. Nossa, eu estou adorando, e as minhas meninas, então, nem se fala!!! Elas estão vindo como loucas, ficando cada vez mais vigorosas e formosas!

Aqui estão algumas fotos para vocês apreciarem!