quinta-feira, novembro 25, 2010

Faça a diferença neste Natal!

Que tal fazer algo diferente, este ano, no Natal?

Sim ... Natal ... daqui a pouco ele chega .
Que tal ir a uma agência dos Correios e pegar uma das 17 milhões de cartinhas de crianças pobres e ser o Papai ou Mamãe Noel delas? Há a informação de que tem pedidos inacreditáveis. Tem criança pedindo um panetone, uma blusa de frio para a avó...
É uma idéia. É só pegar a carta e entregar o presente numa agência do correio até dia 20 de Dezembro.
O próprio correio se encarrega de fazer a entrega.
Imagina uma criança sem condições financeiras, recebendo o presente que pediu ao Papai Noel...

DIVULGUE P/ SEUS AMIGOS DA LISTA!
 
Na vida, a gente passa por 3 fases:
- a primeira, quando acreditamos no Papai Noel;
- a segunda, quando deixamos de acreditar e
- a terceira, quando nos tornamos Papai Noel



sexta-feira, novembro 19, 2010

Pagamento Direito Civil

Olá pessoinhas!

Está aqui meu resumo para esta prova!!


CLIQUE AQUI >>> Direito Civil Pagamento


Aproveitem! 


Bom estudo!

AMOR


Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões

quarta-feira, novembro 17, 2010

Caterpillar

Ótima essa, mas a homenagem é para a música da Janis Joplin.
Sempre achei essa musiquinha uma graça, ela sempre me faz sorrir!

E a melhor parte disso sempre me lembra de você, e assim eu te sinto mais perto. Como é incrívil isso. Te ter ao meu lado em pensamento, posso até senti-lo, seu cheirinho, seu toque, seu jeito.

As vezes a vida pode ser assim, uma graça, um sorriso, uma brincadeira. É tão bom aprender a apreciar as boas coisas da vida. Ver "Caterpillar" subir em árvores e se tornar uma linda "butterfly"!

Caterpillar

I'm a caterpillar
Crawling for your love,
For your love.

I'm a butterfly
Flying for your love,
For your love.

Well, I'll be anything that you want me to be.
Baby, I'd even would be climbing up your tree.

I'm a pterodactyl
Dying for your love
For your love.

I'm an abominable snowman
Calling for your love
For your love.

Well now baby, I'll be anything that you want me to be,
Baby, a big monkey, a little monkey, a chimpanzee.

Oh now,
I'm a caterpillar
Falling for your love
For your love.

Oh baby,
Falling for your love
For your love.

Falling for your love
For your love.

Quando o chefe não está...

Frase do Dia:
"Quieto no Canto como guri cagado..."
(Ditado gaúcho)

_________________________________________________________________

terça-feira, novembro 16, 2010

Como usar Vaselina

Dentro de uma farmácia, um estudante de Propaganda e Marketing faz perguntas aos clientes para uma pesquisa de mercado:

- Por favor, minha senhora. Eu estou fazendo uma pesquisa sobre o produto "Deslizafácil", para determinar os usos da vaselina no lar.
A senhora poderia me dizer e como usa a vaselina?

Sem se fazer de rogada, a mulher responde:
- Em casa, usamos a vaselina para machucados, pele seca, assaduras e quando fazemos amor.

Ele então tentando nitidamente deixar a mulher embaraçada faz a seguinte pergunta :
- É a primeira vez que ouço a respeito do uso da vaselina para fazer amor, poderia detalhar exatamente em quais locais e como ela é colocada ?

Mais uma vez, sem se abalar, a mulher responde:
- Eu coloco na maçaneta da porta do quarto .

- ... Na maçaneta da porta ? !

- ... É, as mãos escorregam e isso impede que as crianças entrem!

Aprendeu?


Mente poluida, mais uma vez.

Castigo:
De joelhos em duas tampinhas de refrigerante... AGORAAAA!!!

sexta-feira, novembro 12, 2010

Se

Se estivesse usando o cinto,
Se estivese mais devagar,
Se o outro não tivesse invadido a pista,
Se os bombeiros tivessem chego mais rápido...

São tantos "se" para se pensar, que as vezes prefiro não pensar em mais nada. Tomamos decisões a cada momento que refletirão o resto de nossas vidas, ou o pouco dela que nos resta.

Quero tomar a decisão certa, mas qual delas é a correta?

quarta-feira, novembro 10, 2010

Sentiremos Saudade

Os Bons Morrem Jovens

Legião Urbana

Composição: Renato Russo
É tão estranho
Os bons morrem jovens
Assim parece ser
Quando me lembro de você
Que acabou indo embora
Cedo demais
Quando eu lhe dizia
Me apaixono todo dia
É sempre a pessoa errada
Você sorriu e disse
Eu gosto de você também
Só que você foi embora...
Cedo demais!
Eu continuo aqui
Meu trabalho e meus amigos
E me lembro de você
Em dias assim
Dia de chuva
Dia de sol
E o que sinto não sei dizer...
Vai com os anjos
Vai em paz
Era assim todo dia de tarde
A descoberta da amizade
Até a próxima vez...
É tão estranho
Os bons morrem antes
Me lembro de você
E de tanta gente que se foi
Cedo demais!
E cedo demais...
Eu aprendi a ter
Tudo o que sempre quis
Só não aprendi a perder
E eu que tive um começo feliz...
Do resto não sei dizer
Lembro das tardes que passamos juntos
Não é sempre mais eu sei
Que você está bem agora
Só que neste mundo
O verão acabou.
Cedo demais!

segunda-feira, novembro 08, 2010

sábado, novembro 06, 2010

We will go home...

Land of the Bear and
Land of the Eagle.
Land that gave us birth
And blessing,
Land that pulled us
Ever homeward.
We will go home across the mountains,
We will go home,
We will go ho-me,
We will go home. (someone in the background singing we)We will go home singing our song,
We will go home across the mountains,
We will go home
Hear our singing, hear our longing,
We will go home across the mountains.

Cérebro Masculino e cérebro Feminino

Agora faz todo o sentido!!!!

Nossa! Essa foi a melhor explicação... caixas!!!

quinta-feira, novembro 04, 2010

O computador morreu. Chegou a era dos tablets

O reinado do PC está chegando ao fim. Grandes marcas, como Apple, Samsung, Dell e HP, estão prestes a trazer para o Brasil seus tablets. E eles vão mudar a forma de vender, de trabalhar e de se divertir

Alinhados, como se estivessem em um batalhão, funcionários da Galderma, uma joint venture entre Nestlé e L’Oréal, indústria farmacêutica exclusivamente dermatológica, posaram para esta foto que você vê logo abaixo. Eles fazem parte de uma tropa de elite que, empunhando os seus iPads, começa a realizar o funeral do computador pessoal. O PC, da forma que conhecemos, morreu.

Na semana passada, 120 funcionários da Galderma foram às ruas com seus tablets e se transformaram na primeira força de vendas do País a usar o equipamento da Apple de forma corporativa. Agora, quando visitam médicos, esse exército de homens e mulheres de iPad faz a demonstração técnica dos produtos nesta pequena geringonça tecnológica que parece uma tábua (daí o nome tablets), mede 24 centímetros de altura por 18 centímetros de largura, pesa 680 gramas e tem espessura de apenas 1,3 centímetro.

Tropa de iPads: toda a equipe de vendas da Galderma já trabalha com tablets

“Agora, consigo atualizar o meu material promocional em apenas um dia. Antes, demorava 40 dias”, afirma Juan Carlos Gaona, CEO da Galderma do Brasil. “É uma enorme vantagem sobre os meus concorrentes.” O batalhão de iPads da Galderma é o símbolo de uma grande transformação no setor de tecnologia.

Com mais de 30 anos de vida (e de bons serviços prestados), o computador pessoal está com os dias contados para os tablets. E essa febre, que tomou o mercado mundial, chega oficialmente ao Brasil a partir de novembro, com o lançamento do Galaxy Tab, da Samsung. Apple, Dell, ZTE, Huawei, Cisco, Awaya e HP prometem seus produtos para os próximos meses.

Apesar disso, os PCs não vão deixar de existir. Suas vendas globais, inclusive, crescerão vagarosamente nos próximos anos, chegando a mais de 500 milhões de unidades em 2014. Mas eles perderão o status de ser os protagonistas da computação. “A maioria das pessoas vai usar computadores portáteis e com telas sensíveis ao toque, como smartphones e iPads”, diz à DINHEIRO Nicholas Carr, jornalista americano e autor do livro A grande mudança, que defende a tese de que a tecnologia se transformará em um serviço público, assim como a energia elétrica.

“Mas os PCs, tanto os laptops como os desktops, continuarão a ser úteis para certas tarefas que exigem grandes telas e teclados tradicionais.” Esse é o ponto crucial. O CD não desapareceu, mas passou a ser um produto de nicho com o surgimento da música digital. O mesmo vai acontecer com o computador pessoal.

“Grande parte das pessoas quer surfar na internet, checar e-mails ou interagir nas redes sociais. Para isso, elas não precisam de um PC”, afirma Jeffrey Cole, diretor do Centro para o Futuro Digital da University of Southern California. O mantra dessa nova era é a mobilidade e a conexão total com a internet de qualquer lugar a qualquer hora.

Os tablets levam este conceito às últimas consequências, com a vantagem de ter uma tela bem maior do que um smartphone e uma interface revolucionária que permite fazer tudo com o toque dos dedos, sem a necessidade de um mouse e um teclado – itens que vão estar ao lado do PC em seu obituário.

“Depois dele, abandonei o meu notebook”, afirma Jorge Moskovitz, diretor para a América do Sul da empresa de tecnologia Serena Software, que passa pelo menos duas semanas por mês visitando países pela região. O diretor de novos negócios da rede de tevê esportiva ESPN, José Papa Neto, não esqueceu ainda do desktop, mas agora só passa 10% de seu tempo com ele. “Sou um fervoroso usuário de Blackberry e do iPad”, diz ele. “Nas viagens curtas, só levo o iPad.”

O comportamento destes dois executivos demonstra uma tendência que acontece com quem usa um tablet. O computador vai ficando de lado, esquecido. E o motivo é simples: eles substituem a maioria das tarefas que um usuário comum faz no dia a dia. O que é surpreendente, nesta aurora dos tablets, é que eles estão encontrando também um espaço dentro das empresas mais rápido do que se imaginava. Observe mais uma vez o exemplo da Galderma, cuja operação brasileira fatura R$ 250 milhões.

Visitar médicos faz parte do DNA da indústria farmacêutica. Até hoje, isso é feito com material de papel. “Tentamos usar notebooks, mas eles são pesados, demoram a ligar e sempre travam”, alega Márcio Rodrigues, diretor de marketing da companhia. Desde o lançamento do iPad, a empresa importou seis máquinas, desenvolveu um aplicativo próprio e foi a campo testar o aparelho.



Agora, todo o material está no tablet, com uso de imagem de alta definição, vídeos que permitem demonstração de procedimentos e do mecanismo de funcionamento dos produtos aos médicos. Deu tão certo que a empresa resolveu equipar os seus 120 representantes, em um investimento de R$ 350 mil. A ideia agora será exportada para as subsidiárias da Alemanha e da Austrália.

O impacto desses equipamentos, no entanto, irá além. Os tablets têm recursos para acessar a internet, ver vídeos, ouvir música, receber e enviar e-mails, organizar fotos, jogar games, ler livros eletrônicos e revistas. Aliás, o prazer da leitura é muito superior ao de um PC. Versátil, eles influenciarão vários setores econômicos, que vão do editorial até o educacional.

No Brasil, Chaim Zaher, que é dono da rede de ensino COC, está comprando até 30 mil tablets para dar aos seus alunos a partir de 2011. É a maior aquisição de tablets no País, um investimento que pode chegar até a R$ 20 milhões. “Queria comprar 60 mil, mas o problema é que eles não têm para entregar”, afirma o empresário.

As máquinas, produzidas na China, serão usadas para substituir o material didático no formato em papel. “Em dois anos, todo o material vai ser digital”, diz Zaher. “Essa é uma revolução que vai atingir as escolas privadas e públicas.” A rápida ascensão dos tablets, de fato, impressiona. Relatório da Bernstein Research informou que o iPad se tornou o aparelho eletrônico com a mais rápida adoção entre os consumidores, com 3 milhões de unidades vendidas nos três primeiros meses de comercialização.


O ritmo de vendas do tablet é três vezes maior do que o iPhone e supera em dez vezes o eletrônico fora da categoria de telefones que liderava o ranking até então: os tocadores de DVD, que venderam 350 mil unidades no primeiro ano. Nessa velocidade, prevê a Bernstein Research, o iPad levará os tablets a ultrapassarem, no ano que vem, celulares e consoles de videogame e se tornarem a quarta maior categoria de letrônicos nos EUA, atrás de televisores, smartphones e notebooks.

Dois importantes institutos de pesquisa publicaram também dados que mostram que as vendas de computadores pessoais cresceram menos do que o esperado no terceiro trimestre de 2010. O Gartner divulgou que as aquisições de PCs aumentaram em 7,6%. A previsão era de expansão de 12,7%. O IDC, que tem uma metodologia diferente, mostrou um crescimento de 11%, 3% a menos do que previra.

O culpado? Os consumidores estão considerando comprar tablets, disseram ambas as empresas. Nesse período, a Apple vendeu 4,1 milhões de iPads. Se eles tivessem sido incluídos nesses dados, as duas companhias teriam acertado suas projeções. Em outro relatório, o Gartner estima que serão comercializados 19,4 milhões de tablets em 2010.

Em 2014, o número chegará a 208 milhões de unidades, de empresas como Apple, Samsung, Dell, HP, Cisco, Avaya, Researh in Motion, ZTE, Huawei, Toshiba, entre tantas companhias que semanalmente anunciam que vão ter um produto para competir nesse segmento. “É inegável que os tablets apresentam um novo cenário mundial”, diz Luciano Crippa, analista da consultoria IDC.
O Brasil entra oficialmente na era dos tablets – apesar de milhares de iPads já fazerem parte do cotidiano de muitos executivos e de empresas via importação direta – a partir de novembro. A coreana Samsung deve ser a primeira, ao lançar o Galaxy Tablet, que roda o sistema operacional Android, do Google. “Ele será fabricado no Brasil e terá recurso de tevê digital”, afirma Hamilton Yoshida, diretor de marketing da companhia. O iPad deve chegar logo em seguida. 
Ao longo do próximo ano, vários outros aparelhos também serão vendidos para o consumidor brasileiro, como o da chinesa ZTE. “Nosso grande diferencial será o preço”, diz Eliandro Ávila, presidente da subsidiária local da companhia. A também chinesa Huawei seguirá estratégia semelhante. 
“Esse é um mercado que nasce com muitos concorrentes, por isso nosso objetivo é ser o mais barato”, afirma Marcelo Najnudel, gerente da empresa. A Dell aposta na versatilidade de seu produto. “O Streak é um tablet que substitui o smartphone”, declara Sandra Chen, gerente de marketing da companhia. 

A Positivo, maior fabricante de computadores do Brasil, também deve entrar nesse segmento em 2011. “É óbvio que vamos ter um tablet, não podemos ficar fora desse mercado”, afirmou Hélio Rotenberg, presidente da companhia, em entrevista à DINHEIRO, publicada em julho.

Quando foi lançado, em abril, o iPad parecia um iPhone gigante. Muita gente ironizou esse fato. Outros criticaram Steve Jobs. O presidente do banco de investimento Credit Suisse, José Olympio Pereira, envolvido em várias aberturas de capital no Brasil, era um dos céticos. Em uma viagem aos EUA, comprou o equipamento. Logo em seguida, teve de adquirir mais dois, pois seus filhos não o deixavam usar o tablet.

Hoje, o computador de sua casa está acumulando teias de aranha. Detalhe, ele é irmão de Marcos Pereira, um dos donos da editora Sextante. Ambos são netos de José Olympio, famoso editor brasileiro. “Depois do iPad, passei a acreditar de vez no livro digital”, diz Olympio Pereira. Mais um sinal de que as revoluções do iPad estão em quase todos os lugares. Vida longa aos tablets.

Fonte: Isto é Dinheiro

terça-feira, novembro 02, 2010

Motivo

Motivo


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.


Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.


Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.


Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.

Cecília Meireles

segunda-feira, novembro 01, 2010

O que há além?

Photobucket


- E se eu te disser que não há nada depois do horizonte, que não existe esperança, não existe alegria ou tristeza, não existe o perdão, o que você faria minha senhora?
- Porque me perguntas se já tens a sua resposta. Mas, me diga, assim adiantaria eu ser quem sou? Estaria eu crendo em coisas incertas?
- Claro que adiantaria ser quem tu és, mas talvez... pense comigo, se nada existir, não seria muito mais fácil?
- Fácil? A que facilidade citas? - ela tampou momentaneamente sua visão com a mão, como em um ato de desilusão - Acredito que quem nada quer ver és tu.
- Como podes afirmar isso? Não entende? Se não existisse um paraíso ou um inferno para crermos as pessoas dariam mais valor a sua vida aqui na terra, elas realmente viveriam, buscariam uma convivência de paz e harmonia, transformariam seus lares no paraíso!
Ela respirou profundamente enquanto elevava sua visão para o céu, viu as folhas das árvores a qual usufruía da sombra. O sol permeava em meio delas com o seu balanço, e assim ela conseguia se manter tranquila e sua voz calma.
- Você realmente acredita nisso?
- Claro que sim!
Ao ouvir aquela afirmação ser pronunciada tão veemente ela sorrio com ternura e voltou seus olhos para o jovem, como se tentasse incentivar uma criança a aprender um pouco mais sobre o que lhe era ensinado, falou em um tom doce.
- Eu também gostaria de acreditar nisso. Mas as pessoas não estão preparadas para essa verdade.
- Não entendo... - intenrrompeu impacientemente o jovem rapaz.
- Calma, sente ao meu lado e deixe-me explicar-lhe melhor.
- Prefiro permanecer em pé.
- Como desejar, só peço que mantenha a mente aberta para o que vou lhe falar.
Ela olhou para todos os lados, como se buscasse a sua volta as palavras que lhe faltavam. Mas quando seu olhar voltou para ele, voltava a ser sério, então ela se pronunciou de maneira firme e pausada para que cada palavra sua pudesse ser compreendida em sua plenitude.
- Meu filho, gostaria muito que todas as pessoas pensassem como você. Mas hoje, quanto mais pessoas acreditarem que não existe o que se esperar, pior o mundo ficaria, entraríamos em um colapso. Você não lê em seus jornais quantas crueldades são feitas mesmo a maioria crendo na existência do céu e do inferno. Pense meu amado filho. As pessoas não pensariam em transformar a terra no paraíso, elas prefeririam transformar ela no inferno, afinal não há nada que as puna depois de sua morte.
- Mas minha mãe, as pessoas que cometem crime não acreditam no inferno.
- Exatamente aí que eu quero chegar, elas não acreditam que terão realmente uma punição por isso fazem o que fazem.
- Mas... mas com certeza elas não gostariam que fizessemos com elas o que ela fez com os outros.
- Amar o próximo como a ti mesmo.
- A Igreja novamente! - disse com impaciência.
- Não meu pequeno, essa não é apenas uma lei da Igreja, é uma lei do mundo. Não pregue o fim de Deus, não pregue a inexistência de uma esperança. Leve aos outros a verem a beleza dos bons atos. Pois tudo é um reflexo. Se fizer coisas boas, outros o farão e tudo será melhor e as coisas voltarão para você mesmo que não as espere.
- Falaste de uma esperança. Que esperança?
- Para você é uma perturbação pensar que possa haver algo depois de sua morte, para muitos isso é um conforto, uma esperança. Pense, eu sou sua mãe se eu tivesse perdido em um acidente.  Talvez meu maior consolo fosse acreditar que você, sem ter pecados, estaria no céu, e estaria bem. Porque eu só preciso da certeza de que você está bem, aonde quer que esteja e meu coração estará em paz.
- Bem, eu iria para o inferno, tinha robado doces na cozinha aquela manhã.
- Está certo - e rio com ternura.
- Mas ainda acredito ser mais fácil pensar que a pessoa foi e fim, acabou. A vida continua.
- É seria muito mais fácil, mas volto a dizer, a maioria das pessoas não aguentaria essa verdade. Pregue o bem, e tente ensinar as pessoas a fazer o bem. Não queira que elas acreditem na inexistência do céu. Muitos querem a vingança do que é feito contra eles e não o fazem por acreditaram em uma justiça divina. Por acreditarem que Deus se encarregará disso.
- Mas ele nunca se encarrega! Mãe, olhe a crueldade do mundo, veja quantas pessoas sofrem, quantas crianças morrem sem nunca ter feito nada de errado, cado esse Deus que a senhora tanto fala?
- Não sei... Apenas acredito que colhemos o que plantamos, e isso pra mim é Deus. As flores, os perfumes, os carinhos, isso é Deus. Você chama por outros nomes, você o chama de sorte, de conhecidencia, de beleza, eu dou apenas um nome para todos esses atos.
- Ah, como eu queria pensar como a Senhora. A vida seria mais fácil.
- Talvez, apenas, ela não deva ser fácil.