quinta-feira, agosto 06, 2015

Dennet: "A religião não é o motor da moral e sim o freio que está retardando o seu desenvolvimento"

Esse debate é bem interessante, vou fazer a tradução após a notícia original.

Dennett: “La religión no es el motor de la moral sino el freno que ha ralentizado su desarrollo”



1ro de agosto de 2015

Daniel Dennett, filósofo y científico cognitivo
Núria Jar. SINC. A Daniel Dennett (Boston, 1942) le gusta parecerse a Charles Darwin. Este filósofo evolucionista ha dedicado toda su vida a pensar por qué somos como somos y por qué pensamos como pensamos. Su trabajo ha recibido numerosos galardones que lo han situado como uno de los filósofos de la ciencia contemporáneos con más influencia internacional. Pero si le dan a escoger, prefiere colarse en una charla de ciencia que en una de filosofía.


Daniel Dennet, catedrático de filosofía y director del Centro de Estudios Cognitivos de la Universidad de Tufts (EE UU), es uno de los filósofos de la ciencia más destacados en el ámbito de las ciencias cognitivas. En esta entrevista con Sinc, desgrana sus ideas sobre la conciencia, la intencionalidad, la religión y la moral.

Muchas veces le preguntan sobre el significado de la vida. ¿Por qué responde que el secreto está en encontrar algo más importante que uno mismo y dedicarse a ello?
Hay personas que desconocen el sentido de la vida. Podría ser porque están demasiado centradas en ellas mismas y son egoístas. Es obvio que la manera de ser feliz y tener una buena vida es ayudar en algo. Lo que sea. Algo bueno. Traer algo de bondad al mundo te hará feliz a ti y a otros. Ya sea dedicándote a la ciencia, salvando el medio ambiente o protegiendo cualquier cosa, la arquitectura o los peces. Siempre hay un montón de cosas que hacer y que son necesarias. ¡Vaya y haga alguna!

"Somos la única especie que tiene causas. Algunas pueden ser absurdas o erróneas, pero es el precio de ser humano"

Existe gente que dedica toda su vida a una causa y se focalizan tanto en ella que otras pasan a segundo plano, como tener hijos. ¿Por qué no todos los humanos cumplimos con nuestro propósito biológico?
Somos la única especie que tiene una perspectiva que no empieza ni termina con tener hijos. En otros animales la reproducción es la máxima. Lo que hacen está condicionado por eso y luchan por oportunidades de apareamiento. Todos los animales se esfuerzan para reproducirse. Por supuesto que nosotros también tenemos esos impulsos en nuestros genes. No estaríamos aquí si no los tuviésemos. Pero debido a que tenemos lenguaje y cultura contamos con otra perspectiva. Hay otras cosas aparte de la descendencia por las que vale la pena trabajar, morir, o vivir: la justicia, la verdad, el arte, la belleza, la religión, el comunismo… Lo que sea. Somos la única especie que tiene causas. Algunas pueden ser absurdas o erróneas, pero es el precio de ser humano.

En su caso ha dedicado toda su vida a la filosofía. Como pensador evolucionista viaja por todo el mundo dando charlas sobre Charles Darwin. De hecho se parece bastante a él…
Es más bien por accidente. Tengo barba desde el año 1967, por lo que no me parezco a Darwin hasta hace relativamente poco. Hubo una época en la que me parecía a Rasputín. Así que no lo hice a propósito, aunque estoy contento de parecerme a Darwin.

Usted convive con filósofos y científicos. ¿Cómo combina los dos mundos?
No todos mis amigos son académicos, pero muchos de mis mejores amigos son científicos. He aprendido mucho de ellos. Después de dedicarme unos 30 años a la filosofía no creo que haya mucho más que aprender de mis colegas. Claro que siempre hay algo más pero no me interesa tanto como la ciencia. Si me dieran a escoger entre una charla de ciencia o filosofía, preferiría ir a una conferencia de un científico porque aprendería algo que antes no sabía, algo que también pasa con la filosofía pero en contadas ocasiones.

La ciencia y la filosofía aún se preguntan si los seres humanos tenemos libre albedrío. Usted mismo lleva años pensando sobre ello.
Durante miles de años mucha gente ha pensado que el libre albedrío depende del determinismo, como si se tratara de una flojera de la física. Opino que es un error, porque no importa si el determinismo o el indeterminismo son ciertos. En realidad lo que queremos es tomar decisiones causadas por nuestras razones, basadas en lo que hemos aprendido. Lo último que queremos es que la naturaleza juegue a los dados o a la ruleta rusa mientras nosotros actuamos. Si hago algo quiero que esté causado por mi intención, se deba a mi deliberación y que a su vez esté causada por las pruebas fácticas que haya recolectado. No quiero que la aleatoriedad intervenga en este proceso.

"A veces simplemente hay que dejar de pensar y actuar. Yo no quiero ser como Hamlet que piensa todo el rato"

¿Y cuándo debemos dejar de pensar?
A veces simplemente hay que dejar de pensar y actuar. Yo no quiero ser como Hamlet que piensa todo el rato. Una decisión es como lanzar una moneda: tengo que dejar de reflexionar y actuar. Hay momentos en los que todos corremos riesgos, hablamos de boquilla y esperamos estar en lo certero. Esta es la única aleatoriedad que necesitamos en nuestro comportamiento, y no se trata de una ausencia de determinismo sino de dejar al cerebro que decida por ti cuando no tienes un motivo concreto. Todas mis decisiones son producto de mi cerebro, todo es biología porque todo pasa en mi mente.

¿Cómo encaja la competencia moralen todo esto?
Si mi cerebro funciona bien entonces soy moralmente competente, y aquí es donde se encuentra el libre albedrío. Tomaré buenas decisiones sin obsesiones, fobias o cualquier otra cosa que me inhabilite. Hay muchas maneras en que mi cerebro es menos aceptable como sistema de control, si alguna de ellas me afecta no tendré libre albedrío.

"Todas mis decisiones son producto de mi cerebro, todo es biología porque todo pasa en mi mente"
Usted ha hablado mucho sobre religión. ¿Cómo influyen las creencias en la competencia moral?
No tienen nada que ver. La competencia moral es un ideal, algo así como las buenas prácticas. Mucha gente llega a ellas a través de la religión, que solo es una contingencia. Después de todo, la moral actual es bastante diferente de la moral del Antiguo Testamento, nadie quiere vivir como hace miles de años. Encontramos ofensiva la esclavitud, por ejemplo. La religión no es el motor de la moral sino el freno que ha ralentizado su desarrollo. Aunque se actualiza poco a poco, casi hemos convencido a los católicos de que no hay ningún problema con la homosexualidad. Ellos no nos guían, nos siguen. Y esto pasa con todas las religiones.

¿Es optimista respecto al futuro?
Lo soy. El mundo es mucho mejor y un sitio más moral en este siglo que a principios del siglo XX. Creo que progresamos. Pienso que el mundo es más seguro y menos violento, aunque todavía podemos hacer mucho daño.

Fonte: http://www.oei.es/divulgacioncientifica/?Dennett-La-religion-no-es-el-motor

TRADUÇÃO (MINHA):

 
Dennett: "A religião não é o motor da moral e sim o freio que retardou seu desenvolvimento”

01 de agosto de 2015

Daniel Dennett, um filósofo e cientista cognitivo Núria Jar. SINC. Daniel Dennett (Boston, 1942) gosta de
assemelhar-se a Charles Darwin. Este filósofo evolutivo tem dedicado toda sua vida a pensar por que somos como somos e por que pensamos como pensamos. Seu trabalho tem recebido inúmeros prêmios que o posicionaram como um dos filósofos da ciência contemporânea com mais influência internacional. Mas, se lhe dessem escolha, prefere colocar-se em uma
se estabeleceu como contemporâneos com mais influência internacional. Mas se dada a escolha, ele prefere uma conversa sobre ciência do que sobre filosofia.

Daniel Dennett, professor de filosofia e diretor do Centro de Estudos Cognitivos da Universidade Tufts (EUA), é um dos filosofos da ciência com mais destaque no âmbito das ciências cognitivas. Nesta entrevista com o Sinc, fala com franqueza sobre as suas ideias de consciência, intencionalidade, religião e moralidade.

Muitas vezes lhe perguntam sobre o sentido da vida. Por que responde que o segredo é encontrar algo mais importante do que a si mesmo e dedicar-se a isso?

Há pessoas que desconhecem o significado da vida. Poderia ser porque estão muito focados em si mesmas e são egoístas. É óbvio que a maneira de ser feliz e ter uma boa vida é ajudar em algo. Qualquer coisa. Algo bom. Trazer um pouco de bondade ao mundo fará você feliz e aos outros. Seja dedicando-se à ciência, salvar o meio ambiente ou proteger qualquer coisa, a arquitetura ou os peixe. Há sempre uma abundância de coisas para fazer e que são necessárias. Vá e faça alguma coisa!

"Somos a única espécie que tem causas. Algumas podem ser absurdas ou errôneas, mas é o preço de ser humano"

Há pessoas que dedicam toda sua vida a uma causa e se concentrar tanto nela que outras passam para segundo plano, como ter filhos. Por que nem todos os seres humanos cumprem com nosso propósito biológico?

Somos a única espécie que tem uma perspectiva que não começa ou termina com ter filhos. Em outros animais a reprodução é a máxima. O que eles fazem está condicionado a isso e lutam por oportunidades de acasalamento. Todos os animais se esforçam para reproduzir. Claro que também temos esses impulsos em nossos genes. Não estaríamos aqui se não tivéssemos. Mas como temos a linguagem e cultura, contamos com outra perspectiva. Há outras coisas além dos descendentes pelas quais valem a pena trabalhar, viver ou morrer: a justiça, a verdade, a arte, a beleza, a religião, o comunismo... Várias coisas. Somos a única espécie que tem causas. Alguns podem ser absurdas ou errôneas, mas é o preço de ser humano.

Em seu caso, tem dedicado toda sua vida à filosofia. Como pensador evolucionista viaja pelo mundo dando palestras sobre Charles Darwin. Na verdade, é bastante parecido com ele...

É bastante por acidente. Tenho barba desde 1967, por isso não me pareço com Darwin até relativamente pouco tempo. Houve um tempo em que eu parecia Rasputin. Então, eu não faço isso de propósito, mas estou feliz de parecer com Darwin.

Você vive com os filósofos e cientistas. Como combina os dois mundos?

Nem todos os meus amigos são acadêmicos, mas muitos dos meus melhores amigos são cientistas. Eu aprendi muito com eles. Após cerca de 30 anos dedicados à filosofia acho que não há muito mais a aprender com os meus colegas. Claro que sempre há algo mais, mas não me interessa tanto quanto a ciência. Se eu tivesse que escolher entre uma palestra sobre ciência ou filosofia, preferiria ir a uma conferência de um cientista pois aprenderia algo que antes não sabia, isso também acontece com a filosofia, só que em poucas ocasiões.

A ciência e a filosofia ainda se perguntam se os seres humanos têm livre-arbítrio. Você mesmo passou anos pensando sobre isso.

Por milhares de anos muitas pessoas têm pensado que o livre arbítrio depende do determinismo, como se fosse uma fraqueza física. Eu acho que é um erro, porque não importa se o determinismo ou o indeterminismo são certos. Na verdade o que queremos é tomar decisões por nossas razões, baseadas no que aprendemos. A última coisa que queremos é que a natureza jogue dados ou roleta russa, enquanto nós agimos. Se eu fizer algo quero que tenha sido causado por minha intenção, é porque minha deliberação e que, por sua vez, essa é motivada pela evidência factual que tenho recolhido. Não quero que a aleatoriedade intervenha neste processo.

"Às vezes você apenas tem que parar de pensar e agir. Eu não quero ser como Hamlet que pensa o tempo todo"

E quando devemos parar de pensar?

Às vezes você apenas tem que parar de pensar e agir. Eu não quero ser como Hamlet pensa o tempo todo. Uma decisão é como jogar uma moeda: tenho que parar de pensar e de agir. Há momentos em que todos nós assumimos riscos, falamos e esperamos estarmos corretos. Esta é a única aleatoriedade que precisamos em nosso comportamento, e não se trata de uma ausência de determinismo, mas sim de permitir que o cérebro decida enquanto você não tem uma razão específica. Todas as minhas decisões são produto do meu cérebro, tudo é biologia, porque acontece em minha mente.

Como se encaixa a competência moral em tudo isso?

Se meu cérebro funciona bem, então sou moralmente competente, e aqui é onde se encontra o livre-arbítrio. Tomarei boas decisões sem obsessões, fobias ou qualquer outra coisa que me desabilite. Há muitas maneiras em que meu cérebro é menos aceitável como sistema de controle, se alguma delas me afeta não tenho livre-arbítrio.

“Todas as minhas decisões são o produto do meu cérebro, tudo é biologia, porque tudo acontece na minha mente”

Você falou muito sobre religião. Como as crenças influenciam na competência moral?

Não tem nada a ver. A competência moral é um ideal, algo como as boas práticas. Muitas pessoas chegam a ela através da religião, que é apenas uma contingência. Afinal, a moral atual é bastante diferente da moralidade do Antigo Testamento, ninguém quer viver como há milhares de anos. Encontramos escravidão ofensiva, por exemplo. A religião não é o motor da moral e sim o freio que retardou seu desenvolvimento. Embora se atualize gradualmente, quase temos convencido os católicos que não há nenhum problema com a homossexualidade. Eles não nos guiam, seguem-nos. E isso acontece com todas as religiões.

Você é otimista sobre o futuro?

Eu sou. O mundo é muito melhor e um lugar mais moral neste século que no início do século XX. Acredito que progredimos. Penso que o mundo é mais seguro e menos violento, embora nós ainda possamos fazer muitos danos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário