quinta-feira, maio 16, 2013

Independência


Os desafios são mais fáceis quando encontramos uma pessoa que está disposta a ficar ao nosso lado e prestar apoio. Ocorre que apoiar não significa usar a pessoa como degraus para subida, não devemos pisar em ninguém. Também não significa usá-la como uma bengala para podermos caminhar.

Acredito que o significado de apoiar é ensinar a andar sozinho. É estar ao lado no momento difícil. É sorrir com as nossas vitórias. É enxugar nossas lágrimas nas derrotas. É ajudar sem pedir, sem medir e sem esperar retribuição.

Quando temos alguém ao nosso lado, que nos serve de apoio, as adversidades tornam-se fortalecimentos e não barreiras intransponíveis. A vida fica mais leve, mais fácil e mais feliz.

Entretanto, não podemos contar com a ajuda das pessoas indiscriminadamente, tampouco eternamente. Temos que aprender a andar com nossas próprias pernas e lutar nossas próprias guerras. A independência deve ser buscada e, acima de tudo, conquistada.

Às vezes nos acostumamos tanto com a pessoa ao nosso lado que começamos a fazer planos para o amanhã. Esquecemos que esses planos são apenas perspectivas e que, às vezes, eles podem nunca sair da imaginação. Não devemos contar com a sorte de ter esse apoio incondicional, temos que crescer e amadurecer.

Em alguns casos é mais difícil se desapegar. Fazer planos de futuro, imaginando a pessoa sempre ao seu lado é o que queremos. Criamos um vínculo muito forte de dependência, inclusive emocional. Sem perceber que esse vínculo pode ser prejudicial. Não somos o outro. Não sabemos seus pensamentos. Não prevemos o futuro.

Com o passar dos tempos se percebe que a vida é singular. Somo seres sociais, isso não se pode negar, mas somos unos e insubstituíveis. Quando nos flagramos sobre essa condição, seja por não termos mais ajuda ou por não podermos ser ajudados, aprendemos uma das lições mais valiosas da vida: seja independente.

Crie sua vida e suas perspectivas dentro do que você é capaz. Não espere a ajuda dos outros, é muito melhor quando somos surpreendidos. Não crie perspectivas sobre as pessoas, elas servem apenas para nos decepcionar. Trace metas e cumpra elas, não altere seu rumo para que determinada pessoa possa fazer parte da sua vida em um futuro distante, esse futuro pode não chegar. Não faça projeções em cima de possíveis apoios que você poderá ter.

Não estou aqui falando para ignorar as pessoas. Acredito que uma ajuda é sempre bem vinda, mas não podemos contar apenas com ela. A mente do ser humano é uma incógnita. A pessoa promete que irá te ajudar, acorda de mal humor, e decide que não vai mais. Pode culpá-la? Não! Era apenas uma ajuda, você não pode torná-la a base do seu planejamento, é apenas um “plus” nas suas construções.

Quando passamos a confiar em nós e planejar nossos passos sem as demais pessoas, nos tornamos mais confiantes e mais capazes. Somos mais felizes, pois nos decepcionamos menos com as pessoas e aprendemos a cultivar nossa própria felicidade.

Um comentário:

  1. Independência é algo para bem poucos: é prerrogativa dos fortes. E quem procura ser independente sem ter a obrigação disso, ainda que com todo o direito, demonstra que provavelmente é não apenas forte, mas temerário além de qualquer medida. Also sprach Zarathustra: Ein Buch für Alle und Keinen

    ResponderExcluir