domingo, setembro 25, 2011

Medos...

As vezes eu sou tão tola.
Tenho medo de um passado que deveria esquecer.
Medo de um futuro que nunca existirá.
Medo de sonhos que podem nunca se realizar.
Medo de sofrer.
Medo de ver as pessoas que amo sofrerem.
Medo de não conseguir demonstrar o amor.
Medo de não conseguir mudar o mundo.
Medo...

Penso em coisas que não existem
Crio em minha mente situações perversas, para que o medo me prenda ao presente e esse mesmo medo, faça com que eu tente ser melhor hoje.
O problema está no momento em que minha imaginação transborda a minha mente, e alucina ideias irreais.

Todos temos esses medos. Pensamos em como seria nossa vida se alguem que amamos partisse e essa sensação nos faz querer sermos melhores para eles. Para que possamos demonstrar todo essa amor que está em nós, antes que nos deixem.

Outras vezes pensamos em situações mais banais, corriqueiras e como lhe dar com elas. Até esse ponto não há problema. Mas quando situações diárias se assemelham ao imaginário, tentamos lutar contra isso. Principalmente com a semelhança do que por nós já foi vivenciado.

O problema, é que, muitas vezes o fim das ações não são os mesmos. Muitas vezes o que aparenta ser, não é. Eu que trabalho com a ciência jurídica, deveria saber disso, mas tenho medo do que passou.

Sei que não voltará. Sei que a pessoa que hoje tenho ao meu lado, não me deixará sofrer, ou desistir. Sei que me ama e que só quer o meu melhor. E com isso arranca todos os medos de mim. Deixando apenas um: Medo de perdê-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário